Page d'accueilPlan du siteEnvoyer à un amiAjouter aux FavorisImprimer
A revista dos brasileiros em Paris
Paris a pé

Paris é uma cidade relativamente pequena, 105 quilômetros quadrados. Caminhar por algumas regiões é essencial para admirar alguns lugares turísticos e descobrir de perto as particularidades de cada bairro: livrarias, brechós, moda prêt à porter, docerias.
O parisiense vive em seu bairro e o molda a sua maneira.

Dividido por números entre 1 e 20, o «caracol» cortado ao meio pelo rio Sena é composto de bairros populares e revolucionários como Republique e Bastille, ricos e conservadores como 7,8 e 16, multiétnicos e cosmopolitas como o 10, 13 e 18.

Áreas que abrigam e escondem atrás de cada muro, escultura, praças ou cafés um numero infinito de histórias. O mais antigo monumento de Paris, o obelisco da Praça da Concórdia, tem aproximadamente 3000 anos.Passendo pelas ruas encontramos vestígios do império romano, do período medieval, do renascimento até chegarmos à modernidade. Paris foi palco de movimentos que mudaram o mundo e suas lembranças estão em todos os lados

A intenção de nosso pequeno guia é apenas orientar os seus primeiros passos a pé, mas temos consciência que para dados mais detalhados você pode utilizar outros guias de Paris.
No que diz respeito à compra de um guia, as editoras como Michelin, Hachette e mesmo a Folha oferecem ótimos guias de Paris, editados, revisados e com ilustrações maravilhosas. Eu recomendo pessoalmente o guia da Folha de São Paulo ou ainda o, Guia Turismo 10+. Evite comprar ou pagar por informações que você mesmo acharia no NET, compiladas e nem sempre verificadas quanto à autenticidade.

Admiro as pessoas que viajam com um guia Michelin, Hachette ou outro na mão. Pessoas que tem desejo de aprender, se informar e que, sobretudo, conseguem fazer tudo ao mesmo tempo: se direcionar, olhar, ler, admirar, ocupar-se de seus pertences, tirarem fotos e ainda sentir prazer e descontração.
Como profissional do turismo instalada em Paris não posso parar de ler e aprender, mas raramente consigo fazer isso enquanto estou vivenciando Paris como turista. Acabo lendo meus maravilhosos guias em casa ou ainda sentados em um jardim da cidade, na frente ou não dos monumentos.

Outras pessoas muito competentes para falar de Paris são os guias formados e concursados pela cidade. Uma visita acompanhada por um profissional faz com que a gente « tire » o máximo de história, conhecimento e magia de cada lugar. É um momento de grande privilégio, pois agrega cultura, dicas importantes e muitas sensações de maneira descontraída e simpática


Vocês encontrarão nas páginas a seguir informações gratuitas, frutos de nossas experiências e pesquisas que eu e minha equipe, compartilhamos com muito prazer.
Para muito mais informações, sensações, charme e conforto conte com um guia da cidade de Paris para passear com você e seus amigos.

Paris de bicicletas

Todo editor de turismo sabe que publicar uma revista de viagem sobre Paris vende bem. E vende ainda mais se é veiculado com que o leitor deseja lêr. Paris para pão-duro, Paris baratinho, Paris a pé…

Outra coisa que chama a atenção dos leitores são os passeios alternativos, no topo da lista Paris de bicicletas.

Por mais que eu entenda a vontade de aventura durante uma viagem eu só consigo explicar este anseio em passear de bicicleta por aqui pelo desconhecimento da cidade e a propagação de um mito. Como assim? E Velib? Paris uma cidade pequena e plana, por que não a bicicleta? Será que estou falando besteira? Antes de perder toda credibilidade vou me explicar.

Adoro andar de bicicleta. Comecei a andar de bicicleta aos 19 anos e desde então optei por este meio de transporte em minha vida, pude inclusive exercê-lo sem restrições durante 20 anos passados no Canadá. Vindo à Paris trouxe minha querida bicicleta. Nestes dez anos passados aqui vi um esforço enorme por parte da administração para tornar esta cidade um lugar adequado para bicicletas. Velibs para todos os lados, interdições e pedras nos sapatos das mais diversas para os veículos motorizados. Porém constato tristemente que não é por que a cidade tem pistas pintadas no asfalto de suas ruas que se tornou uma cidade segura para os ciclistas.

As ruas continuam sendo as ruas de Paris, uma cidade com uma população de 2 243 860 habitantes e uma superfície de 105,40 km², ou seja, [21 289 habitantes por km², além dos turistas e o número de carros acima do que a cidade pode suportar. A Grande Paris tem 10 460 118 habitantes. Foi-se o tempo onde as grandes avenidas do Barão de Haussman comportavam alegremente as carroças e primeiros carros do final do século XIX. Isso sem falar nas ruas mais antigas que escaparam às reformas do barão como no Marais, no centro do Quartier Latin ou Montorgueil, no bairro dois.

Barão de Haussman foi prefeito durante o Segundo Império, período de Napoleão III, e a partir da segunda metade do século XIX foi responsável pela transformação de Paris de cidade medieval em cidade neoclássica, acabando com a insalubridade geral e mudando o aspecto decrépito da cidade. Os “novos” eixos que amputaram a antiga paisagem ligando grandes monumentos, elaborados por Haussman para acolher imensas tropas imperiais e sua cavalaria, aguardam avidamente bicicletas, certo! Porém recebem ainda hoje veículos motorizados em demasia. Se dentro da cidade de Paris somente 330 famílias sobre cada 1000 têm um carro, na Ilha de France, a tendência é inversa. O pequeno estado composto pelas cidades periféricas a Paris, onde vivem os Franciliens, e a cidade de Paris conjuntamente dispõem de 4,9 milhões de veículos que realizam 15,5 milhões de trajetos ao dia, sendo muitos deles dentro da cidade luz.

Vira e mexe vejo turistas em bicicleta na Rua Rivoli ou na Via Georges Pompidou e penso no perigo. Por que as pessoas querem fazer no exterior coisas que jamais fariam no Brasil, como andar de bicicleta no meio do trânsito?

A melhor relação custo-benefício para se conhecer rapidamente e bem Paris é lendo Próxima Estação, Paris: Uma Viagem Histórica Pelas Estações do Metrô Parisiense de Lorant Deutsch, esta maneira tem a vantagem de ser realmente muito boa e também barata: 31,41 reais nas lojas Americanas. Eu recomendo.

 

Para aqueles que não querem se dar ao trabalho de ler e gastam para vir até aqui aconselho um tour guiado, uma boa maneira de ver Paris além dos “clichês fotográficos monumentais”. Como fui guia e, além disso, dirijo atualmente um receptivo, confesso que sou suspeita para sugerir. No entanto visitas guiadas por alguns colegas formados em Paris me fizeram viajar através de séculos de história e me apaixonar ainda mais pela cidade. Até mesmo bons comentários de áudio-guias como dos barcos da companhia Bateaux Parisiens ou dos ônibus turísticos nos dão uma boa idéia das camadas de história impregnadas no cenário à volta.

A última sugestão e seguramente a mais barata é caminhar livremente e descobrir Paris sem pressa. Uma vez que você se familiarizou com os 105, 40 km², com o Rio Sena e algumas de suas 37 pontes, poderá deslocar-se a pé facilmente, tirar fotos, fazer muitas compras inesperadas, conhecer parques, admirar suas esculturas, visitar museus, parar para tomar um café, um sorvete, comer pães e doces… E, sobretudo não estressar com o trânsito.

Para aqueles que depois de ler este texto, ainda sonham com o passeio de bicicleta em Paris ficam algumas informações:

Saiba que no trânsito aqui a prioridade é de quem vem da direita. Sim, de quem vêm de fora.

Dê preferência aos fins de semana para andar de bicicletas. Durante a semana, saia bem cedo, por volta das seis da manhã, você tem mais de duas antes que o trânsito fique intenso, assim como a poluição. As igrejas estão abrindo, aproveite.

Senão ligar para a poluição do ar vá à noite, depois das 22h, Paris está sempre linda iluminada. Vestindo jaqueta de segurança ou roupa bem visível. Nada de preto!

Venha no mês de agosto, devido às férias escolares, o trânsito da cidade é bem calmo.

O Bairro 75002, chamado Montorgueil, entre o Marais e a Opera é completamente pedestre aos domingos. Ótimo para ciclistas.

O Bairro do Marais também é pedestre aos domingos, mas tem muita gente andando no meio das ruas, ao contrário do Bairro Montorgueuil.

 

Você precisa de um cartão de crédito com ship para usar um Velib. Uma garantia de 150€ ficará bloqueada até a restituição da bicicleta. Tenha certeza que o sistema registrou que você devolveu a bicicleta.Há nas redes algumas reclamações de internautas sobre falhas e cobranças indevidas.

Há também visitas guiadas de bicicletas com horários e percursos estipulados pelos organizadores. Embora não haja serviço e explicações em português, a companhia de um grupo oferece mais segurança.

Para aluguel de bicicletas conheça a Associação Animation Insertion & Culture à Velo. A retirada de bicicletas se faz aos domingos, pode ser por algumas horas ou vários dias. Os preços são muito bons e as bicicletas estão bom estado: http://www.aicv.net/blog/

 

E para terminar, se não costuma andar de bicicleta no Brasil, cuidado em dobro com o ponto cego dos carros, caminhões e ônibus, sobretudo nos faróis.

 

 

Publicação: Blog Panrotas, 20.05.2014

Adquira aqui gratuitamente
Paris a pé
rss feed

Rua Rivoli

14/07/2013 16:23:21
Maria Antoinette foi conduzida a Place de La Concorde para ser decapitada através da estreita Rua Saint Honoré. A ideia de reunir Paris de leste e a oeste por um via triunfante nasceu durante o antigo regime, sem ser realizado. A ausência de um eixo principal de comunicação entre a place de la Concorde e Louvre sentiu-se cruelmente durante os tumultos revolucionários em torno do Tuileries e o jovem Bonaparte, ele mesmo, responsável pela repressão de uma revolta monarquista na r...Lire la suite
Publié par Blogger •  Ajouter un commentaire  0 commentaires

As Pontes do Rio Sena

14/07/2013 15:56:10
Vign2_DSC_0048_all
AS PONTES DE PARIS Das 37 pontes, 31 são rodoviarias, 4 passarelass, 2 ferroviarias As principais são: A mais antigas, a Pont Neuf. Construída por Henri IV, seu nome "novo"permaneceu, e foi dado para distinguir-se das antigas pontes medievas, erguidas com casas em ambos os lados. Com 238 metros e larga de 22 m, seus vãos, antigos pontos comerciais e de espetaculo ambulante oferecem hoje uma bela vista. Localização: 1er Arrondissement,...Lire la suite
Publié par Blogger •  Ajouter un commentaire  0 commentaires

Praça da Concordia

27/06/2013 11:36:09
UMA ESTATUA PARA LUIS XV ESTATUA EM UM TERRENO QUASE ABANDONADO PARA INCENTIVAR O CRESCIMENTO DA CIDADE. A cidade de Paris, na pessoa de seus vereadores e de seu preboste (em francês: "prévôt" - espécie de prefeito no Antigo Regime), decidiu, em 1748, erigir uma estátua equestre do Rei Luís XV para festejar o restabelecimento do rei após uma doença que o havia acometido em Metz. Foi lançado um concurso para encontrar o melhor local, concurso do qual participam dezenove arquitetos....Lire la suite
Publié par Blogger •  Ajouter un commentaire  1 commentaires

Place Vendome

26/06/2013 09:19:46
Place Vendôme é uma praça no 1º arrondissement de Paris localizada ao norte do Jardim das Tulherias e a leste da igreja de la Madeleine. É o ponto de início da Rue de la Paix. Sua arquitetura deve-se a Jules Hardouin-Mansart, que concebeu em 1699 um plano urbanístico ao qual deviam moldar-se os proprietários dos imóveis. A maior parte das fachadas é classificada como Monumento histórico. A Praça Ven...Lire la suite
Publié par Blogger •  Ajouter un commentaire  0 commentaires
Vign2_29814_454194174632473_1244873048_n_all
MARGEM DIREITA REGIÃO GRANDS BOULEVARDS BOULEVARD Origem da palavra: Muralha em Holandês Fortificação de uma cidade, construídos com toras de madeira e terra. Portas da muralha na margem esquerda Porte Saint-Honoré (sur la rue Saint-Honoré, à l'emplacement de la place André Malraux) Porte Montmartre (au croisement de la rue Montmartre avec la rue d'Aboukir) Porte Saint-Denis (au croisement de...Lire la suite
Publié par Blogger •  Ajouter un commentaire  0 commentaires
Paris a pé










PARIS
As melhores maneiras de descobrir Paris 
Por que fazer um City-Tour com guia falando português? 
Paris e Versalhes em um dia 
Navegar é preciso- cruzeiros pelo Sena 
A Torre Eiffel
Igreja Notre Dame de Paris
Basilica do Sagrado Coraçao-Sacre Coeur
Vida noturna_Paris la nuit 
Transporte em comum 
Dicas: Open Tour 
        Com quem falar 
        Compras 
Crônicas de Paulo Salvador   
PERTO DE PARIS
PASSEIOS DE UM DIA
Castelos franceses, lugares inesqueciveis
Chambord, Amboise, Chenonceau
Viver a Vida de Monet em Giverny
Os deliciosos segredos de Chantilly
Versalhes :Lição de Historia
Reims e Champagne
Bruges, a Veneza do Norte
PASSEIOS
Descritivos e preços 
Conheça Paris e a França 
Classicos imperdiveis:
Sugestões de passeios
Visita de Paris
Visita de Versalhes
Giverny
Reims & Champanhe
Loire
Chantilly
Le Paradis latin
Moulin Rouge
Crazy Horse

Disney
DICAS
O que vestir no outono e inverno?
WI-FI gratuito na cidade
Detaxe, o que é?
Limites de compras no exterior
Passeios e transporte, qual a melhor escolha?
Segurança na cidade- 
dicas do consulado brasileiro
Telefones e 
Informações uteis
COMPRAS
Compras em Paris 
Dicas 
Perfumes, onde comprar
Pontas de estoque
Oculos
Souvenirs
Cupons de desconto e presentes 
Infomações Uteis:
Detaxe 
Limite de compras 
Cultura O Perfume na França
RESTAURANTES
Onde comer em Paris
comida brasileira
comida francesa
les brasserries
dica do guia Frédéric
segredos para obter um bom serviço
endereços
MUSEUS E EXPOSIÇOES
Le Louvre
Museu D'Orsay
L'Orangerie
Museu nacional de Arte Moderna
Carnavalet
Jogo de Palma
Museu Picasso
Instituto doMundo Arabe
Palacio da Descoberta
Auguste Rodin
Grand Palais
Cidade da Ciência
O Museu do Perfume
Museu de Historia Natural de Paris
PARA CRIANÇAS
Parques da Cidade
Tuilleries
La Villette
Acclimatation
Disney
Asterix
Matinée Le Lido
CULTURA & VIDA
NOVO

Receitas: 
Triologia :Crônicas de Paulo Salvador
Beijos , Tapas e Cachorros
Minha mãe e La Fontaine
Tarte Tatin & Baba au Rum 
© Holatour 2010